Tarifas de pedágios na RS-287 caem 47% a partir desta terça-feira

De imediato, a Rota de Santa Maria - nome da empresa que foi criada pelo grupo Sacyr para cuidar da RS-287 - irá oferecer serviço médico, mecânico e inspeção de tráfego de Candelária a Venâncio Aires

ago 30, 2021

Foi publicado nesta segunda-feira (30) o documento que faltava. A partir da meia-noite de hoje, o grupo espanhol Sacyr inicia um trabalho de 30 anos no Rio Grande do Sul. A divulgação da súmula do termo de arrolamento e transferência de bens era necessária para que a troca com a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR) pudesse ocorrer. Dessa forma, os 204,5 quilômetros da rodovia, entre Tabaí e Santa Maria, já terão novo responsável.

De imediato, a Rota de Santa Maria – nome da empresa que foi criada pelo grupo Sacyr para cuidar da RS-287 – irá oferecer serviço médico, mecânico e inspeção de tráfego de Candelária a Venâncio Aires, entre os quilômetros 66 e 151. Os demais 118,9 quilômetros, entre Tabaí e Santa Maria, receberão estes serviços a partir do fim de janeiro. A empresa também inicia a recuperação emergencial do pavimento nos pontos mais críticos. Os locais serão ampliados gradativamente. Este serviço precisa estar concluído ao final de 12 meses. Mas a ação que imediatamente passa a ser percebida pelo usuário da RS-287 é a diminuição no valor do pedágio de Venâncio Aires e Candelária, no Vale do Rio Pardo.

Até as 23h59 desta segunda-feira, a tarifa é de R$ 7,00 para carros. A partir da meia-noite, a cobrança cai 47%. Serão cobrados R$ 3,70. O consórcio deverá investir R$ 2,7 bilhões, sendo R$ 1 bilhão já nos primeiros dez anos, e cumprir o cronograma de obras, incluindo a duplicação. Somente após o décimo-segundo mês de contrato, as demais três praças – em Tabaí (km 47), em Paraíso do Sul (km 168) e em Santa Maria (km 214) – começarão a funcionar. Esse prazo até pode ser antecipado. Mas a concessionária precisará antecipar a conclusão dos trabalhos iniciais. Os trechos urbanos serão duplicados no terceiro e no quarto anos de contrato. Os demais pontos, entre Tabaí e Santa Cruz do Sul, deverão ser duplicados até o sexto ano.

De Santa Cruz do Sul a Novos Cabrais, as obras deverão ocorrer até o nono ano de contrato.  Entre o terceiro e quinto anos, a rodovia já terá 7 quilômetros de faixa extra entre Novos Cabrais e Santa Maria. A faixa extra é semelhante à utilizada na RS-040, em Viamão. Já a duplicação até Santa Maria está prevista para ocorrer entre o décimo nono e vigésimo primeiro ano de contrato. A obra poderá ser antecipada se a média de veículos na rodovia atingir o movimento atual de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires. Quando isso ocorrer, a duplicação será realizada imediatamente. Pontes e viadutos serão alargados em até sete anos.

Sobre essas obras, a mais importante é a ponte do Rio Taquari. Uma nova estrutura, de quase 600 metros será construída. E a atual passará por revitalização integral. Até o fim do segundo ano de concessão, as câmeras de monitoramento estarão em funcionamento. Um ano depois é o prazo máximo para implantação de balanças para fiscalização do peso dos caminhões.