Sindicato confirma representação dos trabalhadores do tabaco na COP-10

O Presidente do Sindicato, Gualter Baptista Júnior, explica que a intenção é acompanhar de perto estas tratativas, ao mesmo tempo em que deve unir forças com os demais representantes mundiais do tabaco

dez 23, 2023

Foto: Divulgação – Nascimento MKT

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo e Alimentação de Santa Cruz do Sul e Região (NOVO STIFA) estará presente na 10ª Conferência das Partes (COP-10) da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT). O evento, que ocorrerá no Panamá, teve sua data transferida do último mês de novembro para os dias 5 a 10 de fevereiro de 2024, período em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deverá colocar em debate ações para o controle do consumo de tabaco nos países signatários desta convenção.

Especialmente preocupado com estas restrições – e o efeito prejudicial aos empregos da cadeia formal do tabaco – é que o NOVO STIFA confirma a participação no evento internacional. O Presidente do Sindicato, Gualter Baptista Júnior, explica que a intenção é acompanhar de perto estas tratativas, ao mesmo tempo em que deve unir forças com os demais representantes mundiais do tabaco. Ele também preside a Federação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo e Afins (FENTIFUMO), entidade que congrega os principais Sindicatos dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Minas Gerais.

Baptista Júnior disse que “por meio da Fentifumo, forma articuladas ações organizadas com outros membros da cadeia produtiva, como a Associação Brasileira da Indústria do Fumo, a Abifumo e a Associação dos Fumicultores do Brasil, a Afubra, que defende os produtores de tabaco”. Embora seja um dos maiores produtores de tabaco no mundo, o Brasil é signatário da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (CQCT) desde 2005.

A cada dois anos, o órgão, que é vinculado a OMS e a Organização das Nações Unidas (ONU), reúne-se em um país diferente para dar corpo a uma nova discussão, da qual resultam novas medidas internacionais contra o consumo dos produtos derivados do tabaco. Por assinar a convenção, o País necessita aplicar tais decisões, aprovadas durante os dias de debate da COP, que chega a sua 10ª edição.