Parte de um dos eixos do programa transversal Avançar, o plano de obras do governo do Estado prevê investimento de R$ 1,3 bilhão em infraestrutura viária em diversas cidades do RS. Os recursos, em totalidade, são do Tesouro do Estado, fruto do processo de ajuste fiscal executado desde o início da gestão, que inclui as mais profundas reformas administrativa e previdenciária entre os Estados e uma cartela de privatizações.

O investimento de R$ 1,3 bilhão é um dos maiores da história do Rio Grande do Sul na área da mobilidade. No total, o plano inclui a conclusão de 28 acessos municipais e 20 ligações regionais, além da elaboração de 39 projetos executivos, do pagamento de 39 convênios em vigor em diferentes cidades do Estado e da recuperação e conservação de rodovias.

Para organizar o cronograma de investimentos e de execução dos trabalhos, o plano de obras se vale da divisão em nove regiões funcionais do Departamento Autônomo de Rodagem (Daer). A abrangência das regiões está detalhada com base nos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes).

Na R2, que abrange 59 municípios das regiões Corede Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari, a previsão de investimento é de cerca de R$ 104 milhões.

Avançar 

O programa transversal Avançar, lançado pelo governador Eduardo Leite nesta quarta-feira (9/6), tem o intuito de acelerar realizações e deixar um legado. O Avançar está baseado em três eixos que projetam estrategicamente um novo ambiente, com mais desenvolvimento e mais qualidade de vida para a população: Avançar no Crescimento, Avançar para as Pessoas e Avançar com Sustentabilidade.

Dois dos primeiros projetos que fazem parte do Avançar foram apresentados nesta quarta (9). Ambos se encaixam no eixo Avançar no Crescimento e tratam do tema mobilidade. Além do plano de obras, já detalhado acima, foi apresentado o projeto de concessão de rodovias, pelo qual a iniciativa privada investirá, nos próximos 30 anos, o valor expressivo de cerca de R$ 10,6 bilhões.

Confira o detalhamento das intervenções que serão feitas na R2:

Acessos municipais

O plano de obras prevê recursos para a conclusão de três acessos municipais na R2. O investimento total em 21,12 quilômetros de rodovias será de cerca de R$ 32,23 milhões.

Dois deles – acessos que ligam Nova Bréscia a Coqueiro Baixo, de 9,6 quilômetros, e o acesso à Lagoa Bonita do Sul, de 5,8 quilômetros, serão concluídos ainda em 2021, com investimento de R$ 19 milhões.

O terceiro acesso será feito em 2022, para Travesseiro, na VRS-811, de 9,5 quilômetros. O investimento somará R$ 13,1 milhões.

Ligação regional

O plano de obras prevê recursos para uma ligação regional entre Cachoeira do Sul e Rio Pardo, na ERS-403. A obra, que deve ser concluída depois de 2022, contará com investimento de aproximadamente R$ 23,1 milhões para 22,9 quilômetros de extensão.

Conservação e recuperação

O plano de obras prevê investimento de R$ 28,2 milhões em recuperação e conservação de 345,38 quilômetros de rodovias na R2.

Veja os trechos que serão contemplados:

R2 tabela

Contratos de apoio técnico e projetos

Há previsão de aplicação de R$ 2,1 milhões na elaboração de dois projetos executivos: para o acesso municipal ao município de Tunas, de 14 quilômetros, e o que liga Candelária e Sobradinho, de 46 quilômetros.

Convênios

O plano de obras prevê o investimento de cerca de R$ 17,7 milhões no pagamento de convênios em vigor nos municípios de Bom Retiro do Sul, Ilópolis, Roca Sales, Muçum, Arroio do Meio, Venâncio Aires e Capitão.

Texto: Suzy Scarton
Edição: Secom