Mulher é torturada e morta em ritual religioso no interior de Formigueiro

O crime ocorreu na noite de sexta-feira (09), no cemitério da comunidade de Colônia Antão Faria, interior do município.

fev 12, 2024

Foto: Fernando Ramos – Formigueiro Real.

Mais duas pessoas foram presas neste domingo, dia 11, acusadas de envolvimento na morte de uma mulher em um ritual religioso em Formigueiro. O crime ocorreu na noite de sexta-feira (09), no cemitério da comunidade de Colônia Antão Faria, interior do município. A prisão preventiva de mais dois Pais de Santo foi decretada pela Justiça. Um deles foi preso em casa e outro apresentou-se com os advogados na Delegacia de Polícia. Eles foram encaminhados ao Presídio de São Sepé.

No sábado (10), quatro “Pais de Santo”, três homens e uma mulher, já haviam sido presos por homicídio doloso qualificado (tortura com resultado de morte). Eles foram apresentados na Delegacia de Polícia de Formigueiro, onde foi lavrado o Auto de Prisão em Flagrante. Segundo o registro policial, o marido e o filho da vítima, identificada como Zilda Correa Bitencourt, de 57 anos, procuraram os “Pais de Santo” para fazer um ritual porque, segundo eles, a vítima sofria, há mais de 20 anos, com duas entidades que incorporavam nela.

No ritual, a Zilda teria sido torturada, sendo agredida fisicamente com socos, tapas, prisões na cabeça, golpeada com varas verdes em diversas partes do seu corpo, tendo sua cabeça lançada contra o solo por diversas vezes e que, por fim, foi levada e amarrada em uma cruz de concreto no cemitério daquela localidade. Em depoimento na Delegacia de Polícia, o filho da vítima relatou que após as agressões e de ser amarrada, os Pais de Santo disseram que era para ela ficar ali por 20 minutos, e que depois disso estaria curada. Decorrido o tempo, o marido e o filho constataram que a mulher tinha morrido. A Polícia Civil segue investigando o crime.