Líder de facção está entre os presos de megaoperação em Candelária

Doze pessoas foram presas durante operação deflagrada pela Polícia Civil

out 30, 2021

Patrão do tráfico, mandante de assassinatos, responsável pela alta cúpula da organização criminosa que amedrontava moradores do bairro Ewaldo Prass, em Candelária. Essas atribuições eram de um jovem de 26 anos que morava em uma residência monitorada por câmeras de segurança, com piscina, e ainda proprietário de ao menos quatro casas na mesma quadra, as quais destinava por empréstimo para seus “empregados” no mundo do crime. O homem em questão era responsável por toda a cadeia criminosa do braço de uma facção no município.

As constatações vieram à tona após um trabalho de cinco meses de investigação por parte da Polícia Civil, que também contou com troca de informações com a Brigada Militar. O resultado foi a megaoperação, denominada Operação “Pac Man”, deflagrada nesta sexta-feira (29), que resultou na prisão não só do líder da quadrilha, mas como de outras onze pessoas, sete homens e quatro mulheres. Segundo a delegada Alessandra Xavier, titular da DP de Candelária, “já estava se tornando uma situação de afronta, pois, eram praticados homicídios a luz do dia em um bairro que fica em frente à delegacia”. Ela ressalta que essa operação é uma forma da Polícia Civil mostrar que está atenta. Alessandra Xavier disse que “as vezes a resposta não é tão rápida porque a Polícia precisa fazer repressão qualificada, como foi feita nesta sexta-feira”.

Conforme a delegada, a operação desmantelou outra funções dentro da organização criminosa, pois além do líder, que mandava e dava aval pra matar, a polícia conseguiu identificar e prender um responsável por gerenciar as bocas de fumo; outro pelo recolhimento do dinheiro do tráfico; um que fazia transporte clandestino, além de olheiros”. Ao menos três homicídios ocorridos recentemente em Candelária teriam tido participação do líder, integrante da facção Bala na Cara. A delegada acrescentou que a facção tinha atuação no Bairro Ewaldo Prass, e já estava começando um movimento de distribuição de drogas para Cachoeira do Sul”. Alessandra Xavier confirmou que além das doze prisões, seis veículos, duas armas de fogo usadas em homicídios, drogas e materiais do tráfico foram apreendidos.

A ação policial contou com a participação de helicóptero, cães, e 150 policiais civis de Candelária, Santa Cruz, Cachoeira do Sul, Lajeado, Santa Maria, Soledade, Arroio do Tigre e Sobradinho.