Infestação de palometas já atinge a região de Candelária

A polometa é originária da Bacia do Rio Uruguai e se espalhou por outros rios e já tem causado prejuízo para pescadores na região de Cachoeira do Sul, ao atacar cardumes de pintado e jundiá.

abr 5, 2022

Foto: Divulgação

A infestação de palometas em diferentes rios do Estado também já chegou a Candelária. No último fim de semana, um pescador de Lagoa Bonita do Sul fisgou a espécie invasora enquanto pescava lambaris no Rio Pardo, nas proximidades da área urbana de Candelária. Odilar Busato conta que há muito tempo pesca naquele local e que foi a primeira vez que flagrou a palometa. Desde o ano passado, a presença deste tipo de piranha no Rio Jacuí é motivo de preocupação, uma vez que a espécie não é natural deste ambiente, ou seja, é considerada exótica e pode levar ao desequilíbrio da população de peixes por ser uma predadora feroz.

A polometa é originária da Bacia do Rio Uruguai e se espalhou por outros rios e já tem causado prejuízo para pescadores na região de Cachoeira do Sul, ao atacar cardumes de pintado e jundiá. Órgãos ambientais discutiram o assunto e defendem o monitoramento dos rios para avaliar o tamanho da infestação e adoção de possíveis medidas de combate à espécie. Um dos receios é que ela acabe também por povoar os açudes e gerar mais prejuízo ainda. Um dos predadores naturais da palometa é o dourado que está em processo de extinção no Rio Jacuí e seus afluentes.