Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Rural 08/03/2021 12:09
Por: Redação

Agravamento da pandemia irá prejudicar safreiros, projeta sindicato

O fator limitante – 75% da capacidade operacional – imposto pela classificação de bandeira preta, que ficará em vigor até o próximo dia 21 é agora o fato que prejudica a retomada dos temporários na indústria de tabaco

O agravamento da pandemia do novo coronavírus que colocou o Rio Grande do Sul na classificação de risco altíssima – na bandeira preta do distanciamento controlado – impacta na contração de mão de obra sazonal. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo e Alimentação de Santa Cruz do Sul e Região (Stifa) considera que o percentual de crescimento na oferta de vagas, projetado entre 8 a 10%, não deve ser confirmado.

O presidente eleito do Stifa, Gualter Baptista Júnior, explica que a entidade, assim como todos os segmentos da sociedade, se preocupa com a saúde das pessoas, assim como reforça as medidas de controle, como o próprio lockdown, realizado pela prefeitura de Santa Cruz do Sul. No entanto, no novo cenário, com um novo avanço na contaminação preocupa. As condições da safra – como a oferta e qualidade do tabaco – associadas a necessidade do produto no mundo, fazem, de acordo com o presidente eleito, o sindicato acreditar na continuidade das contratações sazonais. No entanto, em ritmo mais lento, e na menor quantidade. 

Baptista Júnior diz que o fator limitante – 75% da capacidade operacional – imposto pela classificação de bandeira preta, que ficará em vigor até o próximo dia 21 é agora o fato que prejudica a retomada dos temporários na indústria do tabaco. Conforme o presidente eleito do Stifa defende as medidas sanitárias como forma de manter a saúde do trabalhador e a segurança de toda comunidade, no entanto, destaca que, respeitando-se as regras de distanciamento e protocolos sanitários já aplicados nas indústrias há um ano, no início da pandemia, a ocupação dos postos de trabalho poderia voltar a taxa de 100%.