Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Polícia 04/06/2020 14:34
Por: Redação

Polícia não vê motivo para exame psicológico em acusada de matar o pai no interior de Segredo

A polícia pediu aos bancos, ao qual o pai de Kalinca tinha acesso, informações sobre esse seguro, mas até agora não foi confirmado.

“ Não há indícios nem elementos para alegar insanidade mental.”  Foi o que disse a Delegada Graciela Foreste Chagas, com relação a Kalinca Lopes, acusada de mandar matar seu pai no dia 27 de Maio em Rincão Nossa Senhora Aparecida. Essa possibilidade foi levantada pelo advogado de defesa, Jorge Pohlmann no início da semana. Segundo a Delegada Graciela, não há nada nos autos que indique a possibilidade de existência de insanidade mental de Kalinca. Salientou porém,  nada impedir que durante o processo isso seja feito pelo promotor ou juiz. Neste momento a possibilidade está descartada. Segundo Pohlmann a tendência natural da defesa é solicitar uma avaliação médica da jovem. Ela e o namorado estão presos desde a última sexta-feira. Um terceiro suspeito morador de Candelária está foragido.

A acusada confessou a morte do pai José Darício de Souza , e de seu funcionário, Mazonde Rodrigues. Eles foram encontrados mortos, amarrados com as mãos para trás e com tiros no rosto em frente à casa da propriedade. Segundo Kalinca o duplo homicídio teria ocorrido para possibilitar a ela, o acesso a um seguro de vida de 500 mil reais, que seria a única beneficiária. A polícia pediu aos bancos, ao qual o pai de Kalinca tinha acesso, informações sobre esse seguro, mas até agora não foi confirmado.

Na manhã desta quinta-feira  (04), policiais da Delegacia de Sobradinho prenderam a ex-mulher de José Darício de Souza.  Conforme a Delegada Graciela Foresti Chagas que coordena as investigações e representou pela prisão preventiva,  foram colhidas provas da participação da ex-mulher no crime . Após a prisão, em depoimento, ela afirmou que tinha conhecimento do plano para matar o ex-marido e confirmou detalhes do crime. As investigações evidenciaram que a motivação seria a disputa patrimonial iniciada após a separação do casal.