Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Rural 09/04/2020 14:01
Por: Redação

Ministério da Agricultura anunciou medidas de socorro aos agricultores gaúchos

Falando ao programa ENFOQUE da Rádio Sobradinho AM, o presidente da FETAG explicou que os financiamentos de custeio serão prorrogados por 7 anos. Carlos Joel da Silva disse que isso vale tanto para quem pediu ou não o PROAGRO.

O Ministério da Agricultura anunciou medidas de socorro aos agricultores gaúchos que tiveram perdas com a estiagem e com a Covid-19. Entre as ações construídas, destaque para a renegociação dos custeios e investimentos e aberturas de linhas e créditos para produtores, cooperativas, cerealistas e agroindústrias. Falando ao programa ENFOQUE da Rádio Sobradinho AM, o presidente da FETAG explicou que os financiamentos de custeio serão prorrogados por 7 anos. Carlos Joel da Silva disse que isso vale tanto para quem pediu ou não o PROAGRO.

Conforme ele, a parcela deste ano dos financiamentos de investimento serão transferidas para o último ano do contrato. Também será criada uma linha de crédito emergencial de até 20 mil reais para pagamento em três anos. Na linha do PRONAMP o valor vai até 40 mil reais. Já as cooperativas singulares de produção agropecuária cujos associados tenham sofrido perdas na renda em decorrência de seca ou estiagem também foram beneficiadas. Podem financiar até 65 milhões de reais, com juros que variam de 6 a 8% ao ano, desde que o valor seja destinado ao auxílio dos agricultores atingidos. Carlos Joel também explicou que os deputados ligados ao meio rural estão se mobiliando para incluir uma emenda numa Medida Provisória já existente visando a criação da Bolsa Estiagem no valor de um salário mínimo.

Na entrevista, o presidente da FETAG orientou os agricultores familiares para que não se inscrevam neste momento no auxílio emergencial de 600 reais do Governo Federal. Segundo ele, nesta etapa o benefício é destinado apenas para trabalhadores informais, desempregados, micro empreendedores individuais e contribuintes autônomos do INSS. Caso o agricultor se inscrever agora, corre o risco de perder a condição de segurado especial e enfrentar problemas na hora de pedir o benefício da previdência no futuro.

Conforme o sindicalista, os agricultores devem esperar a aprovação deste auxílio específico para a sua categoria pela Câmara Federal e a sanção presidencial. Carlos Joel da Silva esclareceu ainda que o pequeno agricultor que recebe Bolsa Família vai receber automaticamente o auxílio emergencial. Este não corre risco de perder o enquadramento previdenciário.