Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Rural 22/08/2020 11:25
Por: Fabricio Ceolin

Sexta fase do projeto Flores para Todos chega a 16 municípios gaúchos com mudanças devido à pandemia

Entre as cidades contempladas nesta edição do projeto estão: Herveiras, Júlio de Castilhos, Lagoa Bonita do Sul, Passa Sete, Segredo, Cachoeira do Sul, Tunas e Sobradinho, abrangendo cinco regionais da Emater: Frederico Westphalen

Para promover a agricultura familiar e auxiliar produtores na introdução de cultivos florais de corte como fonte complementar de renda, a Equipe PhenoGlad das Universidade Federal de Santa Maria e a Emater iniciaram em julho a sexta fase do projeto Flores para Todos no Rio Grande do Sul. Nesta etapa, participam 16 famílias rurais em 16 municípios, além de uma escola de Lagoa Vermelha, no nordeste do estado. O objetivo será a produção de hastes de gladíolos nas propriedades agrícolas para comercialização em novembro, no Dia de Finados. Com relação à escola, a ideia é utilizar as flores na decoração de eventos.

O plantio da flor – também conhecida como palma ou palma-de-Santa-Rita – ocorreu na primeira quinzena de julho. Ao todo, foram plantados 3.400 bulbos, o que representa a possibilidade de colheita de 6.800 hastes florais. A chegada dos bulbos até os locais de cultivo e o plantio contou com a participação e suporte dos extensionistas da Emater. Por causa da pandemia de Covid-19, a sexta fase do projeto segue uma série de protocolos sanitários e de distanciamento. De acordo com a coordenadora da Equipe PhenoGlad na UFSM, Lilian Uhlmann, apenas o primeiro encontro foi presencial.

Nele, os extensionistas da Emater passaram orientações às famílias e à escola sobre os manejos dos canteiros, cada um com 200 bulbos de quatro variedades. Entre as cidades contempladas nesta edição do projeto estão: Herveiras, Júlio de Castilhos, Lagoa Bonita do Sul, Passa Sete, Segredo, Cachoeira do Sul, Tunas e Sobradinho, abrangendo cinco regionais da Emater: Frederico Westphalen, Lajeado, Soledade, Santa Maria e Passo Fundo. O projeto tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para incentivo à pesquisa no Brasil, por meio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).