Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Rural 02/07/2020 13:54
Por: Fabricio Ceolin

Entidades alertam para desmonte no setor produtivo do tabaco

A comercialização da safra 2019/2020 que iniciou razoável, tornou-se uma frustração.

As entidades representativas dos produtores de tabaco emitiram uma nota a fim de esclarecer a população em geral e aos que cultivam fumo, sobre o cenário atual que envolve a cadeia produtiva. Segundo o documento assinado pelos presidentes das Federações dos Trabalhadores Rurais dos três estados do Sul; da FARSUL e da Afubra, o momento vivido pelos produtores de tabaco é altamente preocupante. Todos estão sofrendo os efeitos da estiagem que assolou o Rio Grande do Sul e causou grandes prejuízos nas lavouras gaúchas. Somado a isso, temos todas as dificuldades relacionadas a pandemia do novo coronavírus.

Como se já não fossem motivos suficientes para causar preocupação ao setor, os produtores enfrentam ainda um descaso por parte das indústrias processadoras de tabaco, que não estão reconhecendo os esforços feitos pelos agricultores durante o processo produtivo, desde o plantio até a colheita. A comercialização da safra 2019/2020 que iniciou razoável, tornou-se uma frustração.

Não bastasse as perdas na produção devido à estiagem, ainda há uma falta de sensibilidade por parte das empresas que tem castigado os produtores com um grande rigor na classificação, rebaixando classes e diminuindo a rentabilidade. A lei da integração, que veio para regulamentar a relação entre a indústria e o produtor, e a criação do Foniagro, que é um importante espaço para discussões entre os elos da cadeia e onde se definem as regras a serem seguidas. Entretanto, o que está se vendo é o não cumprimento das normas por parte da indústria. Segundo as entidades dos produtores, as empresas estão desmontando o setor fumageiro, que é organizado e serve de exemplo para outras cadeias produtivas.