Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Política 12/04/2019 14:27
Por: Redação

Audiência Pública discute serviços prestados pelas concessionárias de energia elétrica

Evento ocorreu nesta quinta-feira (11) no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa.

As Comissões de Agricultura, de Defesa do Consumidor, de Segurança e Serviços Públicos e de Finanças, Planejamento, Fiscalização e Controle realizaram, nesta quinta-feira (11) no Teatro Dante Barone da Assembleia, audiência pública conjunta para discutir os problemas causados pelas constantes suspensões no fornecimento de energia elétrica no RS, especialmente no meio rural. O encontro entre consumidores de energia elétrica em áreas rurais do Rio Grande do Sul, empresas concessionárias de distribuição de energia elétrica (CEEE e RGE/SUL) no estado e as agências reguladoras (Agergs e Aneel) foi proposto pelos deputados Edson Brum (MDB), Elton Weber (PSB), Pepe Vargas (PT) e Luiz Fernando Mainardi (PT).

Conforme o deputado Adolfo Brito (PP), presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo, anunciou ao final da audiência, o assunto continuará sendo tratado pelos presidentes dos colegiados envolvidos para ordenar as sugestões apresentadas. Entre elas estão: uma moção de desagravo a não participação no encontro pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL); a constituição de subcomissão para ampliar o debate do assunto; o envio pelas empresas concessionárias de detalhado organograma de investimentos e planos de manutenção; prazo para agências reguladoras se pronunciarem a respeito da prestação de serviços pelas empresas, entre outros.

O presidente da Comissão Mista Permanente de Defesa do Consumidor da Assembleia, o deputado Elton Weber criticou a ausência da Agência Nacional de Energia Elétrica, que, por e-mail, comunicou "problemas de agenda" como justificativa para não estar no debate. A audiência ouviu depoimentos de consumidores, entidades ligadas ao setor agrícola, prefeitos, vereadores, reclamarem da qualidade da energia elétrica entregue pelas concessionárias, a demora no reestabelecimento de energia após interrupção por intempérie, precariedade do funcionamento de call centers e inexistência de centrais de atendimento físico.

Entre os depoentes, o presidente da FETAG, Carlos Joel da Silva, disse que o problema vem de longe. Ele criticou os serviços prestados pela CEEE e RGE/SUL. Os representantes da CEEE e RGE/Sul defenderam-se das críticas afirmando que fazem aquilo que está regulado em Lei. Tanto Giovani Francisco da Silva, diretor administrativo da CEEE, quanto o presidente da RGE/SUL José Carlos Tadiello, apresentaram seus planos de investimentos para o atendimento aos consumidores da área rural. Segundo eles, as empresas estão bem situadas nas avaliações dos clientes realizadas pela Aneel e Associação das empresas de energia elétrica no país. Apesar disso, ambos entendem que há necessidade de muitos mais investimentos no setor. Tadiello contou que a empresa faz a troca de 80 mil postes ao ano, respondendo uma indagação sobre a manutenção da linha.

Conforme ele, a empresa que atende a 381 municípios gaúchos investiu em 2018 cerca de 780 milhões de reais, um pouco abaixo do montante de 2017. O deputado Edson Brum (MDB), um dos requerentes da audiência pública, ausente ao encontro por estar hospitalizado, enviou um vídeo explicando sua preocupação com o péssimo atendimento prestado pelas concessionárias. O assunto continuará sendo tratado pelos presidentes dos colegiados envolvidos para ordenar as sugestões apresentadas durante a reunião e elaborar um documento exigindo das empresas, agências reguladoras e autoridades respostas imediatas para as demandas da população.

A comissão Prol luz de Lagoão participou desta audiência pública, ontem, na assembleia legislativa em Porto Alegre. Na ocasião, perante as autoridades reivindicaram o anseio da sociedade quanto ao descontentamento com os serviços prestados pela cooperativa Celetro. "Nós somos reféns da Celetro, pagamos a luz mais cara do Brasil e de péssima qualidade".. disse o Vice-prefeito Nélio Fornari.