Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Geral 16/09/2015 16:54
Por: Redação

Projeto de eletrificação rural do Estado chega a Câmara Federal

Desde 2013 estão sendo feitas tratativas para viabilizar a melhoria da distribuição de energia elétrica no interior do Estado. Após reuniões nas comunidades,  lideranças municipais e empresas distribuidoras de energia do Rio Grande do Sul, audiências e seminário realizado dia 6 de julho,  promovido pela Comissão de Agricultura da Assembleia Gaúcha, presidida pelo deputado Adolfo Brito, nesta terça-feira (15) foi a vez de ser apresentado projeto elaborado pela Comissão na Câmara Federal. O projeto “Energia – A Qualidade que o Brasil Precisa” prevê investimentos do governo Federal (50%), distribuidoras (30%), produtores (15%), e o Estado (5%). Na reunião de ontem, a proposta recebeu apoio de vários deputados, não só do Rio Grande do Sul, mas também de outros estados. Participaram da audiência representantes do Ministério de Minas e Energia, Eletrobras e ANEEL, bem como, da AGERGS e todas as empresas distribuidoras de energia gaúchas, além das cooperativas concessionárias de energia. O deputado Brito considerou importante a discussão, especialmente, o apoio dos deputados Luís Carlos Heinze e Heitor Schuch e o que considera  “ simpatia” dos órgãos federais. O presidente da Comissão salientou que o projeto pode ser implementado a partir de recursos iniciais de cerca de 200 a 300 milhões de Reais ao ano, pelo governo federal, e outra parte pelas empresas e pelos próprios consumidores. Conforme o parlamentar, estudos neste sentido também estão sendo realizados pelos Ministérios da Agricultura e de Minas e Energia. Na oportunidade, a ANEEL foi colocada ao par também das dificuldades de comunicação dos usuários com as distribuidoras. A AGERGS confirmou ter aplicado multas que alcançam 160 milhões de reais às empresas nos últimos anos. Brito ressalta que “tanto a Comissão de Agricultura quanto os deputados federais continuarão os entendimentos na busca de viabilizar a melhoria nas redes do interior do Estado”. Ele lembra que o que se constata atualmente é queda de tensão, posteamento apodrecido e transformadores que não dão conta da carga.