Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Política 11/05/2020 21:21
Por: Fabricio Ceolin

Vereadores aprovam cedência de pavilhão no Parque da FEJÃO

Os vereadores de Sobradinho estiveram reunidos na 10ª sessão ordinária no início da noite desta segunda- feira (11).

Os vereadores de Sobradinho estiveram reunidos na 10ª sessão ordinária no início da noite desta segunda- feira (11). O projeto mais polêmico da noite entrou em pauta. Ele previa a concessão de um pavilhão no alto do Parque da FEJÃO, para a empresa Metal Forte, destinada à fabricação de estruturas pré-moldadas em concreto e metal, pelo prazo de até cinco anos, podendo ser prorrogado. O vereador Adão Weber (MDB), pediu vista ao projeto. A solicitação foi colocada em votação conforme prevê o regimento da Câmara, e o pedido foi rejeitado por 5 votos favoráveis e 4 contrários. Votaram contra a concessão de vista ao projeto, os vereadores Tuki Siman, Max Trevisan, Valdecir Bilhan, Solange Guerreiro e o presidente d o Legislativo Elemar Lázzari. Após, o projeto foi colocado em votação e aprovado por 5 votos favoráveis e 4 contrários. Votaram contra os vereadores Adão Weber, Éder Libreloto, Jeferson Matana e Luiz Freitas.

Foram aprovados por unanimidade os seguintes projetos:

PROJETO DE LEI que altera dispositivos da Lei Municipal que cria o Conselho Municipal de Educação de Sobradinho. PROJETO DE LEI que altera dispositivos da Lei Municipal que instituiu o Sistema Municipal de Educação de Sobradinho PROJETO DE LEI que altera a redação do art. 3° da Lei Municipal que dispõe sobre a instituição do programa de prorrogação da licença-maternidade.

Explicações Pessoais:

Adão Weber (MDB) – Lamentou o que considerou um ato não democrático, ao ter o seu pedido de vista rejeitado pelos colegas. Disse ter se sentido ofendido. Lembrou que sempre foi fiel ao partido, mas em tom crítico, disse que com ele, parece que não funciona assim. Falou que ficou triste, mas que isso não mudará o trabalho. Destacou também sobre os cuidados com o coronavírus, onde todos devem se manter unidos.

 

Tuki Siman (PDT) – Disse reconhecer o trabalho do vereador Adão Weber, e que apenas foi cumprido o regimento interno da casa de forma democrática. Saudou as mães pela passagem do seu dia, e pediu que para o próximo ano o comércio libere os funcionários para passarem o dia com suas mães. Revelou que vai discutir novamente o projeto “Sobradinho mais Seguro”, o qual prevê instalação de câmeras de segurança. Defendeu ainda a abertura das canchas e dos jogos de futebol para a diversão da população e a prática de exercícios físicos.

Solange Guerreiro (MDB) – Disse que os moradores de Linha Central estão preocupados com o abigeato. Segundo ela, os criminosos agora estão abatendo os animais no acesso à comunidade, nas margens da RSC- 481. Ela defendeu que ali sejam instaladas câmeras de segurança.

Max Trevisan (PTB) – Defendeu as medidas de isolamento para o combate ao coronavírus. Lembrou que mais de 11 mil pessoas já morreram contaminadas pelo vírus, e que esteve em Porto Alegre por 20 dias, onde viu crianças serem escolhidas para viver no lugar de idosos. Lembrou que o vírus tem ceifado vidas e Sobradinho tem apenas 5 respiradores. A parlamentar disse que os brasileiros são solidários, e vão superar esse momento difícil.

Valdecir Bilhan (PTB) – Justificou seu voto favorável a concessão do pavilhão no Parque da FEJÃO. Segundo ele, 14 entidades que compõem o CONDEM assinaram a ata sendo favoráveis a cedência. Pediu ao executivo que avalie também uma área de 2 hectares existente em Linha Quinca e que um plano diretor seja desenvolvido para o Parque da FEJÃO.

Luiz Freitas (PP) – Em tom crítico, disse que a voz do povo não foi ouvida. O parlamentar destacou ter feito uma pesquisa virtual que contou com 549 participações, onde 68% são contra a industrialização do parque da Fejão. Freitas disse que falta gestão para o parque, e que parte da área de lazer será perdida. Ele colocou em dúvidas se a empresa conseguirá os alvarás de funcionamento, pois nas proximidades passa uma sanga. Defendeu mais uma vez que empresas sejam instaladas em locais apropriados, dizendo que para se ter emprego e renda precisa-se planejamento.

Jeferson Matana (PSB) – Leu uma mensagem encaminhada pela Presidente da Caciss e do Conselho de Turismo Tatiana Lisboa aos vereadores. O texto defendia um maior tempo para discussão da cedência do pavilhão de exposições da FEJÃO. Na mensagem, ela também pedia um estudo para elaboração de um plano diretor do parque. Matana disse que o CONDEM analisou a economia num geral ao aprovar a cedência do pavilhão e não o bem estar da população.

Elemar Lazzari (MDB) – Disse que o furto abigeato voltou a assombrar o interior. Em 30 dias, disse que 10 cabeças de gado foram abatidas entre Linha Carijinho e Arroio Bonito. Cobrou uma ação mais efetiva das autoridades policiais. Sobre o Parque da FEJÃO, disse que em 30 anos nenhum plano diretor foi feito.

Eder Librelotto (PP) – Disse também estar preocupado com o alto índice de abigeato. Sobre o parque da FEJÃO, lembrou que foi contrário também com as outras empresas se instalaram, porque avalia que o parque é uma área de lazer. Indagou o que traz de benefícios as duas empresas que lá estão instaladas, pois não pagam luz e nem água. Disse que foi procurado pelo empresário que vai instalar a metalúrgica no pavilhão de exposições, que revelou que vai colocar 4 postos de trabalho e prometeu uma renda de 50 mil reais mensais. Lembrou que outros empresários já prometeram muito mais empregos no Bairro Industrial pra conseguir terreno, e não cumpriram com as promessas. Librelotto disse que seu objetivo não é o de trancar o desenvolvimento da empresa e do município, mas lamenta que o Executivo não comprou outra área para um distrito industrial. Librelotto falou ainda sobre a falta de investimentos na FEJÃO, lembrando que outras instalações necessitam de reparos urgentes.