Logo Rádio Sobradinho AM & Jacuí FM
Rural 07/12/2018 13:44
Por: redacao

Negociação do preço do tabaco ficou para janeiro

Novas negociações devem ocorrer nos dias 16 e 17 de janeiro, na sede da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Fetag), em Porto Alegre, para tentar um acordo.

A Comissão de Representação dos Produtores de Tabaco, formada pela Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), as Federações dos Sindicatos Rurais (Farsul, Faesc e Faep) e as Federações dos Trabalhadores Rurais (Fetag, Fetaesc e Fetaep), e as principais empresas do setor realizaram a primeira rodada de negociação do preço desta safra. Os encontros ocorreram na sede da Fetaesc, em São José/Santa Catarina, nesta quarta e quinta-feira, dias 5 e 6, mas a definição dos valores das tabelas foi adiada para o próximo mês.

Novas negociações devem ocorrer nos dias 16 e 17 de janeiro, na sede da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Fetag), em Porto Alegre, para tentar um acordo. Participaram das reuniões individuais com a Comissão, representantes das empresas: Souza Cruz, Philip Morris, Universal Leaf, JTI, Alliance One e China Brasil Tabacos. Mesmo ainda sem o acordo sobre o preço, a empresa Souza Cruz iniciou ontem a compra da safra no litoral de Santa Catarina e, na próxima semana, começa no Rio Grande do Sul.

De acordo com o presidente da Afubra, Benício Werner, nos dois dias de encontros em Santa Catarina, ocorreu a apresentação do levantamento do custo de produção realizado pela Comissão de Representação dos Produtores e pelas empresas, com o detalhamento das planilhas com os principais itens. Diferente do início das negociações em anos anteriores, Werner comenta que, desta vez, praticamente todas as empresas apresentaram propostas para a tabela de preços, algumas semelhantes à reivindicação da Comissão de Representantes dos Produtores, o que aumenta a perspectiva de acordo nas próximas reuniões. Com relação ao preço, as entidades não revelaram os valores das propostas para evitar mais dificuldades nos próximos encontros de negociação.